No TEMA B, Projectos e Práticas de Integração Curricular das TIC, incluem-se os trabalhos que privilegiam a apresentação e a reflexão em torno de projectos (de investigação e de intervenção)e de actividades educativas envolvendo tecnologias digitais: experiências curriculares com TIC, novas abordagens ao currículo, desenvolvimento de recursos educativos digitais, novas metodologias de avaliação, as TIC e a aprendizagem ao longo da vida, as TIC na inclusão de alunos com necessidades educativas especiais.

 

[30]
As TIC: Ferramentas para a Consolidação de Conceitos em Química
RUTE AMADEU | ruteamadeu76@gmail.com
Universidade de Lisboa
JOÃO PAULO LEAL | jpleal@itn.pt
Universidade de Lisboa

Resumo
Ao longo das últimas décadas verificou-se um aumento exponencial dos avanços tecnológicos nos mais diversos domínios. Esta evolução torna-se mais visível quando nos reportamos à área da Informática e das Telecomunicações; pelo que seria um desperdício não usar estas novas tecnologias na Educação. Paralelamente a estes avanços tecnológicos foram inúmeros os investigadores que se dedicaram ao estudo das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação ao nível do ensino, bem como às suas limitações e potencialidades. O que se verifica é que as opiniões são diversas: há quem considere que o uso de computador em sala de aula é pouco vantajoso e que dificilmente poderá conduzir ao sucesso escolar, e há quem defenda que o computador e a internet poderão ser a chave para a resolução de inúmeras lacunas ao nível da aprendizagem, abrindo novos horizontes. Apesar desta disparidade de opiniões, num aspecto existe consenso; as Novas Tecnologias de Informação e Comunicação só por si, de nada servirão se não existir simultaneamente um apoio, ao nível de sala de aula, por parte do professor. Na nossa opinião as Novas Tecnologias poderão ser uma mais-valia no processo de ensino e aprendizagem se usadas adequadamente. O que se pretende com este estudo é mostrar algumas estratégias que poderiam ser utilizadas para leccionar o conceito de electronegatividade e, utilizando-o, facilitar o ensino e compreensão de outros conceitos como sejam o de ligação química. É sabido que este conceito, de acordo com as normas emanadas do Ministério da Educação, apenas deverá ser introduzido ao nível do 12º ano de escolaridade; o que parece pouco coerente atendendo a que o conceito de ligação química, bem como os vários tipos de ligação, são abordados no 9º ano. O que nos parece é que estas discrepâncias poderão causar alguma confusão nos alunos pelo que seria desejável que se colmatasse todas e quaisquer dúvidas logo nesta fase. Assim, e atendendo a que os alunos do 9º ano de escolaridade apresentam alguma dificuldade de abstracção, sugerimos que se utilizem algumas simulações para facilitar a compreensão do conceito, e também para fomentar nos alunos a curiosidade e o entusiasmo pela Ciência.

[33]
O Twiter numa sala de Jardim de Infância
ANA DOMINGUEZ | ana.cc.dominguez@gmail.com
Colégio de Alfragide

Resumo
Desenvolvimento da literacia, da imaginação dos alunos, e as parcerias numa sala de Jardim de Infância usando as TIC. A introdução de um computador na sala de aula com ligação à internet e a utilização do serviço twitter foram determinantes para esta experiência pedagógica.

[41]
The ETALAGE Comenius project and ICT-based language learning tasks
ANTÓNIO LOPES | alopes@ualg.pt
University of Algarve
LÚCIA TARDÃO
Agrupamento Vertical de Escolas Alberto Iria

Resumo
Many foreign and second language teachers are still faced with the challenge of shifting from traditional language instruction (grammar and vocabulary teaching, most of the times based on textbooks and workbooks) to a task-based approach. Another challenge has been the use of new technologies in the language classroom, a problem addressed in a number of projects (e.g. International Modules in ICT and Language Learning (Lingua) and European Curricula in New Technologies and Language Teaching (Comenius)). The ETALAGE project (European Task-based Activities for Language Learning; a Good practice Exchange) (Comenius), currently in its earlier stages, aims to build on the achievements of these projects and to address the above two challenges. The purpose is to collect, re-design, adapt and disseminate samples of good practice of ICT-based language learning tasks covering the first four levels of the Common European Framework for Languages (from A1 to B2), deemed the most relevant in primary and secondary foreign language education. After these samples of good practice have been gathered, in-service teacher training courses will be produced taking into account the characteristics of each national education system and the local specificities. With these courses teachers will have the opportunity to adapt the samples to their own classroom situation in accordance with the CEFR. The samples of good practice collected by all the partners in the project will be made available to teachers on a multilingual website in all the languages represented in the project consortium, and will be used in an international in-service course (Comenius-Grundtvig). Eight other courses in the national language of each partner will follow (Dutch, English, German, Greek, Hungarian, Italian, Portuguese and Turkish). These courses, adapted to the needs of each country, will be tried out during the project. The needs of language teachers who are speakers and/or teachers of less widely used and taught languages will also be addressed. The quality of the products is to be closely monitored through the use of formats for the description of the samples of good practice. The trialing of the tasks and the International Summer courses will be evaluated through questionnaires to participants in the try-outs, and through the analysis of independent experts in language teaching methodology in each of the participating countries.

[43]
Simulações Computacionais no Ensino da Física
RUTE AMADEU | ruteamadeu76@gmail.com
Universidade de Lisboa
JOÃO PAULO LEAL | jpleal@itn.pt
Universidade de Lisboa


Resumo
São notórias as dificuldades sentidas pela maioria dos alunos no domínio da Física e, é igualmente comum, observar um desinteresse crescente por esta área científica. Em ambiente de sala de aula, o que se verifica muitas vezes, é o facto de os alunos manifestarem a existência de padrões de raciocínio muito semelhantes a uma “Física Aristotélica”, e que são, habitualmente, difíceis de contrariar. Estas ideias erradas que os alunos possuem são designadas por concepções alternativas e dificultam bastante a aquisição de novas competências. Torna-se, assim, fundamental que os professores utilizem, juntamente com o tradicional método expositivo, técnicas mais inovadoras e apelativas do ponto de vista visual, de forma a motivar os alunos e a facilitar a sua aprendizagem. Uma técnica que pode ser bastante enriquecedora do ponto de vista cognitivo e que pode conduzir a uma reestruturação do pensamento, é a utilização de simulações computacionais, que são extremamente vantajosas porque possibilitam a realização de experiências que dificilmente seriam exequíveis devido à sua morosidade e/ou ausência de material de laboratório. O objectivo deste estudo é mostrar como o uso de simulações computacionais no ensino da Física e, no caso particular do conceito de Queda Livre, pode facilitar significativamente o processo de ensino/ aprendizagem. É do conhecimento geral de que nas escolas, não dispomos do material necessário para a realização de uma actividade laboratorial deste tipo pelo que se torna fundamental a utilização de diferentes estratégias para a leccionação deste conceito que se verifica ser, habitualmente, de difícil compreensão por parte dos alunos. Parece-nos que uma das melhores estratégias poderá ser o recurso a simulações computacionais, visto ser uma solução de baixo custo e, que permite que os alunos visualizem os fenómenos e os apreendam.

[49]
Projecto "Atlas das Paisagens Literárias de Portugal Continental"
ANA CRISTINA TAVARES | anatav28@gmail.com
Universidade Nova de Lisboa
ANA LUISA LAVRADOR | lavrador2@gmail.com
Universidade Nova de Lisboa


Resumo
O Projecto “Atlas das Paisagens Literárias de Portugal Continental”, coordenado pelo IELT (Instituto de Estudos de Literatura Tradicional, Universidade Nova de Lisboa), assenta na exploração de obras da Literatura Portuguesa dos séculos XIX e XX, as quais encerram um vasto manancial de paisagens literárias que nunca foram estudadas no quadro de uma referência geográfica explícita e à escala nacional. O projecto visa potenciar a recíproca valorização das obras literárias e das paisagens que nelas se representam, contribuindo para o conhecimento do património natural e cultural português, para a implementação da Convenção Europeia da Paisagem e para a melhoria da literacia ambiental. As representações das paisagens de Portugal Continental extraídas das obras consultadas serão registadas numa base de dados de excertos literários, aos quais estão associados descritores geográficos e ecológicos. Prevê-se a criação de um website interactivo (associado a uma base de dados e a um sistema de informação geográfica). Assim, a partir de um mapa de Portugal Continental, pretende-se aceder aos excertos literários, a imagens (mapas, fotografias, outros) e a fichas de exploração pedagógica. Procura-se a descompartimentação dos saberes e a ligação das práticas educativas à realidade exterior, assente numa divulgação abrangente do projecto com recurso às novas tecnologias da informação. A vertente didáctico-pedagógica do Projecto envolve grande parte das disciplinas dos Ensinos Básico (1º, 2º e 3º ciclos), Secundário e Formação de Adultos. As actividades que se irão propor podem ser trabalhadas a nível disciplinar ou transversalmente em projectos interdisciplinares que integrem diferentes áreas curriculares. Existe uma preocupação central de integrar as TIC na exploração dos conteúdos/competências que se pretendem desenvolver, estando prevista a utilização das ferramentas electrónicas em todas as etapas do projecto e na sua divulgação.

[52]
Una experiencia de integración del curriculum a través del curriculum de la plataforma “Aula Virtual” en el EEES.
FRANCESC JOSEP SANCHEZ I PERIS | francesc.sanchez@uv.es
Universidad de Valencia
CONCEPCION ROS ROS | concepcion.ros@uv.es
Universitat de València


Resumo
La Universidad de Valencia desarrolla, desde hace varios años, procesos de innovación en metodologías de enseñanza y aprendizaje que han adquirido un importante impulso institucional y una orientación específica en el marco de la incorporación al Espacio Europeo de Educación Superior. Las diferentes titulaciones han ido adaptando progresivamente sus materias a estas nuevas metodologías. Ello ha implicado cambios a muchos niveles entre los que destacaremos la creación de comisiones de innovación para la coordinación entre profesores de las diferentes materias e implantación de la plataforma de teleformación. Aplicación web que ofrece múltiples posibilidades e instrumentos que sirven de apoyo al trabajo del profesorado en su adaptación a las nuevas tareas. Atendiendo a la filosofía que representa el proceso de Enseñanza – Aprendizaje en el Espacio Europeo de Educación Superior centrado en el alumno como constructor de su propio aprendizaje, la metodología se fundamenta en el descubrimiento mediante la investigación. Es una metodología que entrena a los alumnos en la búsqueda del propio conocimiento y que les permite disponer de las herramientas necesarias para enfrentarse de forma autónoma a los retos que supone este nuevo espacio.

[89]
Materiales curriculares para el desarrollo de competências digitales en la formación superior en actividad física y deporte.
MARTA ARÉVALO BAEZA | marta.arevalo@uah.es
Universidad de Alcalá

Resumo
Los avances tecnológicos han irrumpido en el Deporte, como en tantos otros ámbitos de nuestra vida, y están transformando constantemente la manera de gestionar la información, acceder al conocimiento y comunicarse. Para adaptarse a estos cambios, la formación universitaria en Ciencias de la Actividad Física y el Deporte del nuevo Espacio Europeo contempla en sus nuevos planes el desarrollo de competencias sobre el uso eficiente de herramientas tecnológicas aplicadas a este campo. En nuestra opinión, en esta formación no se deberían enseñar a manejar determinados programas pero, sobre todo, a comprender el funcionamiento y el sentido de su uso en un determinado contexto. Bajo este enfoque curricular, las competencias digitales a las que hacemos referencia estarán vinculadas, sobre todo, a las habilidades (hacer) pero conectadas con el conocimiento (saber) y las actitudes (reflexionar). Para trabajar estas competencias creemos que el mejor enfoque metodológico es “aprender haciendo”, es decir, un aprendizaje basado en proyectos y en resolución de problemas incorporando hardware (máquinas), software (programas) y espacios en Red (Internet) que automaticen procesos de comunicación y gestión de información en el Deporte. Para trabajar mediante la resolución de problemas, los docentes podemos elaborar y utilizar materiales curriculares que comprometan al estudiante con las actividades propuestas. En todo caso, conviene recordar que los materiales están sujetos al enfoque curricular particular y tienen sentido dentro de un contexto educativo concreto. De los distintos tipos de materiales curriculares, en este trabajo presentamos algunos de los que utilizamos para conectar la teoría y la práctica en la asignatura “Tecnología y Actividad Física” de primer curso del Grado en Ciencias de la Actividad Física y del Deporte. Los materiales de conexión teoría-práctica en la resolución de problemas ofrecen al estudiante recursos para comprender el por qué, para qué y cómo utilizar herramientas tecnológicas. Tras la realización de estas actividades propuestas por el profesor, preguntamos a los estudiantes qué importancia han tenido los materiales utilizados. Este debato abierto y anónimo se realiza a través del foro del aula virtual que disponemos, basado en Blackboard Learning System (CE v.8), y que sirve para valorar la efectividad de estos materiales.

[94]
Implementación de un laboratorio virtual de placas solares fotovoltaicas para el desarrollo de prácticas no presenciales
GUADALUPE MARTÍNEZ BORREGUERO | mmarbor@unex.es
Universidad de Extremadura
ÁNGEL LUIS PÉREZ RODRIGUEZ | aluis@unex.es
Universidad de Extremadura
Mª ISABEL SUERO LÓPEZ | suero@unex.es
Universidad de Extremadura
PEDRO J. PARDO FERNÁNDEZ | pjpardo@unex.es
Universidad de Extremadura
FRANCISCO LUIS NARANJO CORREA | naranjo@unex.es
Universidad de Extremadura

Resumo
En la actualidad la demanda de energía eléctrica aumenta continuamente en nuestra sociedad a pesar de que los recursos energéticos son limitados, es por ello que es necesario tratar de buscar otras fuentes de energía no contaminantes, que generen electricidad y que contribuyan a la necesaria sostenibilidad energética, de ahí la importancia de potenciar el uso de las energías renovables, como por ejemplo, la energía solar fotovoltaica. Para este propósito, podemos emplear las ventajas de las tecnologías de la información y la comunicación, y en particular de Internet como plataformas para nuevas metodologías de enseñanza. En concreto, se presenta en este trabajo una herramienta didáctica que ha consistido en el diseño y creación de un laboratorio virtual de placas solares fotovoltaicas que permite conocer en profundidad las principales formas de generación de energía alternativa solar fotovoltaica. Este laboratorio se ha implementado en una plataforma de e-learning y de m-learning donde se han incluido prácticas que contemplan desde el diseño hasta el mantenimiento de una instalación de este tipo. El objetivo de nuestro laboratorio virtual ha sido introducir a los alumnos en el manejo del instrumental básico para la creación de energía solar fotovoltaica, además de complementar, o incluso sustituir las sesiones prácticas de un laboratorio real. El laboratorio desarrollado permite el trabajo práctico fuera del entorno de laboratorio real, de esta forma, los alumnos únicamente necesitan disponer de un ordenador con conexión a Internet para poder realizar las prácticas. Como complemento al laboratorio virtual se ha creado una página web como recurso didáctico de investigación, con el objetivo de optimizar el aprendizaje de los alumnos, pues les ha servido de apoyo para la gestión y el manejo de la información de las prácticas disponibles en el laboratorio virtual. Con la incorporación de esta estrategia de aprendizaje, se ha pretendido que el alumno desarrolle un trabajo autónomo y activo a la vez que se ha utilizado para guiarlo por las distintas prácticas virtuales a realizar.

[96]
Innovación curricular con blogs: Modelo de colaboración Universidad/Escuela
FRANCISCA NEGRE BENNASSAR | xisca.negre@uib.es
Universitat de les Illes Balears
ADOLFINA PEREZ GARCIAS | fina.perez@uib.es
Universitat de les Illes Balears

Resumo
La presentación de este póster pretende difundir una experiencia de innovación curricular con las TIC basada en el uso de los blogs, a la vez que dar a conocer un modelo de intervención y colaboración entre los centros educativos y la Universidad que puede ser considerado como una Buena Práctica en materia de inclusión tecnológica y de formación y actualización del profesorado. La transferencia de resultados en la sociedad de las investigaciones que se llevan a cabo en las Universidades es uno de los grandes retos que se presentan para mejorar la práctica educativa que se realiza en los centros, por lo que consideramos conveniente establecer un vínculo entre Universidad/Escuela basada en un proyecto de integración didáctica de los blogs en el que la Universidad ofrece su colaboración a la comunidad educativa a través de seminarios de formación y un proceso de seguimiento y asesoramiento referente a aspectos didácticos, técnicos y organizativos. Cabe destacar la función desarrollada por alumnos/as practicantes de los estudios de maestro de diferentes especialidades (infantil, primaria y educación especial) mediante su colaboración en el proyecto de mejora e innovación que constituye una de las principales actividades a realizar en el plan de prácticas y posibilitando, a su vez, un acercamiento entre aspectos teóricos y prácticos. En la Facultad de Educación de la Universitat de les Illes Balears se ha llevado a cabo una experiencia que ha permitido crear un posible modelo de colaboración de la Universidad con los centros educativos a través de seminarios en los que se asesora y orienta en aspectos técnicos y didácticos referente a procedimientos y tipología de blogs a utilizar en el centro, dependiendo de los objetivos a conseguir y partiendo siempre de la demanda e intereses que el equipo directivo y los docentes del centro manifiestan. La experiencia se inició en el curso 2008/09 y se mantiene en la actualidad. En esta primera intervención los blogs han sido el centro de interés y han constituido una primera aproximación hacia este modelo de colaboración Universidad/Escuela que, una vez consolidada, podrá mejorarse y complementarse con otras actuaciones referidas a la integración curricular de tecnologías emergentes.

[147]
Tic, Escuela y Profesorado:El reto de la formación permanente en la sociedad del aprendizaje
MONSALUD GALLARDO GIL | monsalud@uma.es
Universidad de Málaga
NOELIA ALCARAZ SALARIRCHE | noe@uma.es
Universidad de Málaga
MANUEL FERNÁNDEZ NAVAS | mfernandez1@uma.es
Universidad de Málaga

Resumo
Fruto de las investigaciones desarrolladas por los autores/as en diferentes centros de Educación Infantil y Primaria de la provincia de Málaga (Andalucía, España), presentaremos algunos de los resultados y reflexiones más relevantes sobre la presencia y uso ‘educativo’ de las TIC en los contextos escolares investigados, así como sobre las condiciones formativas que vive su profesorado para llevar a cabo la integración de estas tecnologías digitales en la escuela. Llevamos siglos de tradición de cultura ‘impresa’ en la escuela, introduciéndose recientemente las TIC como el nuevo escenario social, didáctico y comunicativo en el que parece que se desenvolverá nuestro entramado social y también escolar en el futuro. Estas tecnologías ofrecen nuevas y diferentes formas de mediación educativa, rompiendo las barreras espacio-temporales de las aulas y la separación entre la educación presencial y no presencial. En este contexto, el profesorado es protagonista de uno de los mayores cambios que han vivido nuestros centros escolares a lo largo de su historia. Nuestros docentes pueden convertirse en actores y promotores de esta transformación educativa, anticipándose al futuro; o, por el contrario, en meros espectadores de los acontecimientos sociales y culturales que cambiarán por completo la fisonomía física y conceptual de las aulas que conocimos en nuestra etapa escolar. Pero: ¿Estamos realmente ante una nueva revolución educativa? ¿Están nuestros docentes realmente preparados para afrontar este reto? ¿Se está resolviendo de algún modo? ¿Qué implicaciones está teniendo en los entornos escolares investigados? ¿Cómo está siendo la integración de estas tecnologías en el contexto de nuestra investigación? A lo largo de nuestro póster, trataremos de ir dando respuesta a estas y otras preguntas a la luz de los hallazgos y análisis más significativos de nuestra investigación.

[178]
Aplicación de la Tecnología Web 2.0 en Educación Superior: El Blog en la Asignatura Didáctica General en Educación Social
MARÍA J MIRANDA VELASCO | mirandav@unex.es
Universidad de Extremadura

Resumo
La adquisición de competencias tecnológicas es un objetivo fundamental en el proceso formativo de los estudiantes universitarios desde la perspectiva del aprendizaje a lo largo de la vida. El software social está siendo considerado un recurso didáctico de gran potencialidad en las experiencias universitarias de innovación pedagógica en el contexto del Espacio Europeo de Educación Superior. El estudio describe y analiza el uso educativo de los blogs como recurso tecnológico en la asignatura Didáctica General. La actividad didáctica desarrollada en varias fases se orienta a que los estudiantes obtengan, con una actitud activa, las competencias tecnológicas y pedagógicas necesarias para el desarrollo profesional. Los objetivos planteados persiguen que adquieran los conocimientos a través de una metodología innovadora. De manera concreta que sepan utilizar una herramienta social, desconocida para la mayoría, relacionada con la tecnología web 2.0. Motivar para el aprendizaje. Evaluar las ideas previas de los estudiantes relacionadas con los contenidos a enseñar. Crear comunidades de conocimientos compartidos sobre el concepto de Unidad Didáctica. Identificar y analizar las características del diseño didáctico. Elaborar un repositorio de Unidades Didácticas con contenidos relacionados con los campos de intervención del educador social aplicables a los diferentes contextos de intervención socioeducativa. Reflexionar sobre la aplicabilidad de los aprendizajes a los contextos sociales reales. La muestra total se compone de 97 estudiantes de 2º curso de Educación Social. Resultados. El análisis informa que el blog resultó fácil de elaborar y de utilizar; un recurso motivador que favorece la participación activa de los estudiantes en el proceso de aprendizaje, la reflexión y la expresión de ideas y la comunicación verbal y escrita. Así como la adquisición de competencias de aprender a aprender. Permite la co-creación de conocimientos y potencia su utilización didáctica en el contexto universitario. Especialmente facilita la visualización de la evolución de los aprendizajes, la autoevaluación, la evaluación del proceso didáctico y la coevaluación. Las limitaciones del trabajo están relacionadas especialmente por la masificación del aula, algunas resistencias a la utilización de los recursos tecnológicos en el contexto educativo y al cambio de la metodología pasiva a otra eminentemente activa.

[218]
Aprender a programar: o desenvolvimento do pensamento crítico em alunos com necessidades educativas especiais do 2º e 3º ciclos do ensino básico
LUÍS PEREIRA | lmsapereira@ua.pt
Universidade de Aveiro

Resumo
No quadro de um século repleto de desafios sociais, económicos e profissionais, é cada vez maior o reconhecimento da importância do pensamento crítico para o exercício pleno da cidadania numa sociedade que se deseja cada vez mais democrática, inclusiva e exigente e que, por isso, requer a participação activa de todos os cidadãos. Este é um tipo de pensamento direccionado para a acção e para a resolução prática de situações, sendo o seu desenvolvimento visto como indissociável do desenvolvimento das competências de resolução de problemas. Preparar os alunos de hoje para a complexidade do amanhã implica providenciar as mesmas oportunidades educativas para alunos com necessidades educativas especiais, não só na promoção destas capacidades como, também, na promoção de outro tipo de competências, nomeadamente de literacia e fluência digital. É para estas que concorre o Scratch, um ambiente de programação que recorre a uma linguagem de programação visual para simplificar a complexidade desta actividade, tornando-a mais natural para alunos com uma idade igual ou superior a oito anos. Este é o ponto de partida da presente investigação e do qual decorrem as questões a que o estudo pretende dar resposta: será possível promover as capacidades de pensamento crítico de alunos do 2º e 3º ciclos, com necessidades educativas especiais, através da implementação de um modelo de aplicação do ambiente de programação Scratch baseado na apresentação de diferentes tarefas-problema e na utilização de diversas estratégias de resolução de problemas? E qual o efeito das suas características na percepção da competência para a aprendizagem e utilização de ambientes de programação por estes alunos? Deste modo, a presente investigação, que assumirá o formato de estudo de casos múltiplos, recorrerá a vários instrumentos e técnicas de recolha de dados, com maior predomínio para aqueles utilizados numa abordagem metodológica de natureza qualitativa. O presente estudo procurará, assim, contribuir para o conhecimento sobre o desenvolvimento das capacidades de pensamento crítico em alunos com necessidades educativas especiais e para a promoção das suas competências no domínio da literacia e fluência digital.

[268]
Mudando a forma de encarar as plataformas de e-learning no ensino presencial
MANUEL GALVÃO | manuelgalvao@portugalmail.pt
Escola Básica 2,3 Professor Egas Moniz

Resumo
Face à diversidade dos aprendentes é imperioso criar formas alternativas de aprender e de ser avaliado. A mudança dos tradicionais paradigmas de ensino e aprendizagem e o recurso sistemático, e cada vez mais frequente, ao uso das tecnologias de comunicação e informação, justificam uma alteração estratégica do uso das plataformas de e-learning. A diversidade é grande e a tarefa a encetar gigantesca. Das ferramentas Web 2.0 aos computadores na sala de aula por onde começar? Com esta comunicação pretendemos dar um contributo para a mudança das práticas lectivas com recurso às TIC, em contexto de sala de aula, recorrendo ao uso de uma plataforma Moodle. Esta é assumida como ponto central de convergência da vida académica das turmas ao longo do ano, dando visibilidade e transparência a todo o processo de ensino e aprendizagem. A sua estrutura cresce e acompanha o ano lectivo de tal forma que, no final, espelha todo o trabalho realizado com e pelos alunos ao longo do ano. Deste modo é modificada a forma tradicional de encarar a plataforma Moodle, de mero serviço de distribuição de conteúdos, complementar ao ensino presencial, para uma estrutura central de todo o processo educativo, transformando-a assim no centro organizativo da disciplina ao longo do ano. A ubiquidade e a versatilidade da plataforma Moodle torna-a na ferramenta ideal para a mudança de mentalidades. Tecnicamente é facilmente manejável e possui as ferramentas necessárias e suficientes para os professores ensinarem de forma diferente e para criarem experiências de aprendizagem inovadoras aos alunos, num ambiente familiar e informaticamente controlado. Pedagogicamente contribui para a mudança de mentalidades dos actores educativos ao mudar a forma de trabalhar. Os professores deixam de fornecer exclusivamente conteúdos. Os alunos adquirem competências disciplinares, informáticas e de cidadania através de uma aprendizagem significativa e são avaliados de forma diversificada. Os pais colaboram e têm conhecimento de todo o processo. A comunidade que desta forma se cria, centrada no trabalho do aluno, rompe com a dicotomia presencial/virtual e transforma-se num contínuo sem fronteiras onde actores, espaços e tempo convergem em benefício do aluno.

[276]
Software de composição de utilização livre no desenvolvimento de competências musicais em alunos do 2º ciclo do Ensino Básico
RUI MELO | ruirmelo@netcabo.pt
Universidade de Aveiro
SARA CARVALHO | scarvalho@ua.pt
Universidade de Aveiro

Resumo
Na disciplina de Educação Musical, a Composição, Interpretação e Audição são as três grandes áreas em torno das quais se desenvolve a actividade musical ao longo do Ensino Básico. No que respeita à Composição, aos recursos tradicionais para a criação musical, têm-se vindo a juntar outros, envolvendo o computador e uma grande diversidade de software desenvolvido para a composição. A investigação pretende avaliar os benefícios do uso de softwares de utilização livre no que concerne à aquisição de competências gerais e específicos da disciplina de Educação Musical no 2º ciclo de escolaridade. Partindo da utilização do software “Narrativas sonoras”, por ser um sequenciador de áudio, freeware, disponível em versão Windows que permite a manipulação de sons de forma a realizar tarefas de composição musical de forma intuitiva não se fecha, no entanto, a porta à exploração de um número limitado de outros softwares que deverão ser de utilização livre, com características complementares que se venha a considerar que enriquecem a experiências criativa dos alunos. Assim, investigação tem como objectivo geral: avaliar os benefícios do uso de softwares de composição musical de utilização livre, no que concerne à aquisição de competências gerais e especificas da disciplina de Educação Musical no 2º ciclo do Ensino Básico, e como objectivos específicos: (i) contribuir para a reflexão sobre práticas pedagógicas e processos de ensino e aprendizagem na Educação Musical, (ii) desenvolver metodologias de carácter construtivista promotoras do desenvolvimento de competências musicais e do sucesso educativo, (iii) propor situações de aprendizagem diversificadas que vão ao encontro dos vários estilos de aprendizagem dos alunos de acordo com o previsto no Currículo Nacional para o Ensino Básico, (iv) propor abordagens pedagógicas que integrem o computador no domínio da composição em sala de aula, (v) produzir conhecimento na área da composição com recurso às TIC por parte de alunos do 2º ciclo do Ensino Básico, (vi) explorar as potencialidades pedagógicas do software na área da composição musical em contextos educativos.

[295]
TIC e novas metodologias de avaliação:A Experiência do processo de avaliação do Curso de Administração a Distância da UNEB – Projeto piloto da UAB
ANA KARINE LOULA TORRES ROCHA | aklrocha@uneb.br
Universidade do Estado da Bahia

Resumo
Este resumo submetido à apreciação para publicação por meio de um pôster faz parte de uma pesquisa de mestrado com previsão de conclusão para o primeiro semestre de 2011, onde busco apresentar a experiência de inovação em um processo de avaliação desenvolvida no Curso de Administração a Distância da Universidade do Estado da Bahia/Brasil, um Projeto Piloto da Universidade Aberta do Brasil, enquanto uma nova experiência de avaliação vinculada as TIC´s. Esta pesquisa caracteriza-se como estudo de caso, tendo como enfoque um caráter descritivo/interpretativo, utilizando instrumentos de coleta de dados, análise documental e observação direta. Neste estudo a avaliação no Curso de Graduação em Administração em EaD, é entendida na perspectiva de Neder (1996) como uma atividade política que tem por função básica subsidiar as tomadas de decisão. Assim o processo de avaliação desse projeto, pressupõe não só análises e reflexões relativas às dimensões estruturais e organizacionais do projeto, numa abordagem didático-pedagógica, como também às dimensões dos aspectos políticos do processo. A avaliação de aprendizagem na Educação a Distância requer dos alunos não a capacidade de reproduzir idéias ou informações, mas sim, a capacidade de produzir conhecimentos, analisar e posicionar-se criticamente frente às situações concretas que se apresentem. Assim, faz-se necessário desenvolver métodos de trabalho que oportunizem ao aluno buscar interação com os professores e com os tutores, obter confiança frente ao trabalho realizado, possibilitando-lhe não só o processo de elaboração de seus próprios juízos, mas também de desenvolvimento da sua capacidade de analisá-los. O que é relevante, portanto, no processo de avaliação de aprendizagem é analisar a capacidade de reflexão crítica dos alunos frente a suas próprias experiências. Assim, é estabelecida uma rotina de observação, descrição e análise contínuas da produção do aluno, que embora se expresse em diferentes níveis e momentos, não deve alterar a condição processual da avaliação, onde para isso o processo de avaliação da aprendizagem acontece em três meios: Meio I (processo de estudo – descritivo/cumulativo), Meio II (sínteses escritas-compreensivo) e o Meio III (Seminários Temáticos – Investigação / processual).

[331]
Potencialidades do uso de blogues educacionais em aulas de Ciências Naturais
MARIA JOÃO ALMEIDA | mjoaoalmeida@ua.pt
Universidade do Algarve
TERESA BETTENCOURT | tbett@ua.pt
Universidade do Algarve

Resumo
Os blogues, uma das aplicações da Web 2.0, têm atingido enorme crescimento e visibilidade, quer por parte dos cibernautas em geral, quer em contexto escolar. De facto, quando devidamente apropriados por professores e alunos, o uso desta ferramenta permite melhorar e aumentar as possibilidades de aprendizagem, sobretudo num contexto de aprendizagem activa. O objectivo geral deste estudo pretende, através de uma metodologia mista, quantitativa e qualitativa: (1) analisar as potencialidades fundamentais dos usos educativos dos blogues em aulas de Ciências Naturais e (2) averiguar de que forma o seu uso pode ser potenciado em contexto de ensino aprendizagem. Desta forma, foi feita em primeiro lugar, uma análise sistematizada de um conjunto de blogues, que visou identificar aspectos/funcionalidades técnicas e caracterizar conteúdos dos blogues. Foram também elaborados e distribuídos questionários aos alunos e professores envolvidos em alguns dos blogues analisados, para determinar práticas relacionadas com a exploração de blogues, bem como a receptividade e o envolvimento dos intervenientes e perspectivas futuras sobre a sua utilização. Verificamos que a maioria dos blogues educacionais analisados era de autoria exclusiva dos professores, tendo sido criados com o intuito de apoio a uma disciplina especifica da área das Ciências Naturais, ou seja, a maioria destes blogues foi utilizado como mais um recurso pedagógico ao dispor do professor. No entanto, foi interessante verificar que estes blogues apresentam uma gama sofisticada de funcionalidades técnicas, não se limitando às opções mais básicas e comuns disponibilizadas pelos servidores que os alojam. Foi igualmente interessante verificar uma tendência crescente para o aparecimento de blogues de turma, onde alunos e professores desempenham papéis semelhantes no que diz respeito à sua dinamização. Nestes blogues a partilha de materiais e recursos é feita a nível de turma e os níveis de participação, motivação e cooperação podem ser considerados muito satisfatórios. Nestes casos, as potencialidades educativas dos blogues foram plenamente utilizadas, pelo que se pode considerar que eles foram utilizados como estratégia didáctica pois os alunos estiveram no centro do seu processo de aprendizagem.

[342]
“Laboratório Virtual da Ciência” – Uma Experiência de Aplicação das TICs em contexto de sala de aula
SÓNIA CORREIA | correiajesonia@gmail.com
Universidade de Évora
JOSÉ RAMOS | jlramos1957@uevora.pt
Universidade de Évora

Resumo
O artigo tem como objectivo descrever e discutir os resultados obtidos numa experiência de avaliação em contexto de um recurso educativo digital no âmbito da formação de professores no uso educativo das tecnologias de informação e comunicação. O projecto teve como principal actividade a avaliação em contexto do recurso educativo digital “Laboratório Virtual da Ciência”. O contexto escolhido foi uma Escola do Ensino Básico. As finalidades do projecto, foram: proporcionar uma experiência de avaliação em contexto aos professores, melhorar a capacidade de avaliar o potencial dos recursos digitais, em função de critérios de ordem pedagógica/didáctica, contemplando factores de aprendizagem, com base em referenciais de qualidade; inferir sobre a integração das novas tecnologias de informação, nas práticas em Ciências Experimentais. A experiência, teve a participação de quarenta alunos, do 1.º e 3.º ciclo do ensino básico e três professores, foi realizada em três momentos. O primeiro, avaliação descritiva do software. O segundo, avaliação do software em contexto de sala de aula com alunos de 7.º ano, nas práticas em Ciências Experimentais. O terceiro, avaliação do software com alunos do 1.º ciclo do ensino básico, com base na realização de actividades do currículo programático. Foram administrados inquéritos, entrevistas e registadas notas de campo (observações naturalistas). Após a avaliação descritiva em contexto do software sob observação, através de instrumentos validados para o efeito (RAMOS, 2005) e aplicada a metodologia descrita, concluímos que o software é de fácil aplicação a nível de ensino em Ciências Experimentais e é eficaz a sua utilização em contexto laboratorial. O trabalho realizado apresenta naturalmente as suas limitações, uma vez que não permite generalização dos seus resultados mas permite, deixar um testemunho de uma experiência rica em aprendizagem, mostrando que as tecnologias de informação e comunicação constituem desafios da maior importância para os intervenientes na educação. O poster apresentará o software avaliado, os instrumentos de avaliação utilizados e os resultados obtidos, os registos e testemunhos da experiência, destacando as potencialidades educativas do software e das abordagens pedagógicas adoptadas bem como as dificuldades que pode oferecer aos professores que venham a fazer a sua utilização no contexto das Ciências Experimentais.

[349]
Escola Móvel - Identidade e Pertença
LUÍSA UCHA | luisaucha@sapo.pt
Escola Móvel

Resumo
A Escola Móvel, criada como escola pública ao abrigo da Portaria no 835/2009, de 31 de Julho, funcionou entre os anos lectivos de 2005/2006 e 2009/2010, utilizando o ensino a distância, através de um projecto curricular diferenciado e tendo como referência o currículo nacional e os programas dos ensinos básico e secundário. A plataforma virtual de aprendizagem Moodle foi utilizada para o desenvolvimento das actividades lectivas, privilegiando-se a comunicação síncrona e a tutoria individualizada. A realização de semanas presenciais permitiu complementar as actividades online, reforçando nos alunos o sentimento de pertença à escola e o desenvolvimento de competências de cidadania. Tendo sido iniciado como projecto da Direcção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular em 2005/2006, a Escola Móvel foi alargando a sua acção sempre tendo como finalidade o cumprimento da escolaridade obrigatória e o prosseguimento de estudos aos filhos e educandos de profissionais itinerantes e a outros jovens que por razões diversas se encontram impedidos de frequentar regularmente o ensino presencial, promovendo a inclusão e o sucesso escolar. No ano lectivo de 2009/2010 frequentaram a Escola Móvel cerca de 100 alunos do 5º ao 12º ano de escolaridade.

[372]
As TIC e o ensino da matemática na Engenharia: um contributo
MARIA EMÍLIA BIGOTTE DE ALMEIDA | ebigotte@isec.pt
Instituto Superior de Engenharia de Coimbra

Resumo
Tem surgido cada vez mais para debate as questões ligadas ao insucesso da Matemática no Ensino das Engenharias e a sua relação com o desenvolvimento das competências à saída do Ensino Secundário. A importância e a influência que a utilização das tecnologias de informação e comunicação (TIC) têm em todo o processo de ensino e aprendizagem, justificam, cada vez mais, a existência de estudos de casos concretos, devidamente contextualizados, que permitam a identificação das verdadeiras implicações dessas práticas no sucesso educativo. Adicionalmente, o paradigma emanado pela Declaração de Bolonha, ao centrar no aluno o processo ensino/aprendizagem, exige ao docente do Ensino Superior uma maior capacidade crítica, uma maior exigência quanto à sua prática pedagógica e um constante envolvimento no percurso dos seus alunos. Adicionalmente, considerando os elevados índices de reprovação e de abandono dos alunos do ensino superior, nomeadamente nas unidades curriculares de Matemática, torna-se importante questionar sobre quais os ambientes de ensino que permitam uma co-responsabilização dos alunos no processo educativo e que possam estar relacionados com melhores e mais profundas aprendizagens. Foi nestes pressupostos que se iniciou um trabalho de investigação pessoal que tem por objectivo percepcionar as influências das várias estratégias de aplicação das TIC no sucesso educativo dos alunos, integradas em algumas unidades curriculares ministradas pela Área Científica de Matemática em Licenciaturas de Engenharia do Ensino Superior Politécnico. Consequentemente, há relações que importa descrever e compreender entre as práticas aplicadas nos domínios do ensino utilizando ambientes interactivos com recurso às TIC e as aprendizagens desenvolvidas pelos alunos. A análise dos resultados obtidos será certamente um contributo fundamental para uma reflexão participada e criteriosa da prática pedagógica no ensino superior que influenciará, sobretudo, uma eventual modificação das concepções e um melhoramento do desempenho profissional do docente.

[416]
O Multitoque no Ensino das Ciências - Um Paradigma Cooperativo
ADRIANA RAMOS | adrianamramos@gmail.com
Universidade de Aveiro

Resumo
A utilização de dispositivos multitoque em contexto educacional é uma inovação. As potencialidades das superfícies multitoque multi-utilizador são vastas e a investigação neste campo encontra-se na sua infância. Surgem, agora, os primeiros dispositivos multitoque multi-utilizador, sendo a Microsoft Surface uma das poucas soluções comerciais existentes. As grandes superfícies multitoque excluem a necessidade do uso de periféricos, como o rato, o teclado ou as canetas. Estudos recentes evidenciam a vantagem do toque e do multitoque em detrimento do uso de periféricos. Estas superfícies assumem-se, por isso, como Interfaces Naturais de utilizador (NUI): os alunos podem interagir com elas de modo intuitivo, usando as mãos ou manipulando objectos reconhecíveis pelo sistema (como o manual escolar ou um utensílio de laboratório). Esta particularidade revela-se favorável à Aprendizagem das Ciências, Disciplina cuja componente teórico-prática encontra complementaridade no campo virtual. O multitoque simplifica e reforça as interacções em contexto multi-user, o que potencia o trabalho cooperativo. A simbiose entre a superfície multitoque e as aplicações adequadas pode conduzir o processo Ensino/ Aprendizagem a um novo paradigma.

[425]
Uso de técnicas de bioinformática na análise de homologias vs. analogias, e polimorfismos vs. mutações e implicações no ensino da Teoria da Evolução
CRISTINA SOUSA | cristinacsousa@hotmail.com
Universidade do Porto

Resumo
No âmbito do ensino das Ciências Naturais têm surgido várias propostas de utilização de Tecnologias de Informação e Comunicação para melhorar o sucesso escolar nos vários níveis de escolaridade. A importância do desenvolvimento da um novo ramo científico da Biologia tem vindo a ser muito útil em investigação quer na área de Biologia Molecular e Bioquímica. A adaptação destes métodos ao ensino da Biologia, de forma interactiva, será discutida no âmbito deste artigo. Têm vindo a ser disponibilizados vários softwares em regime de free-ware que podem ser descarregados para o computador ou usados on-line nos seus respectivos websites. Actualmente sabe-se que todas as células de um organismo possuem o mesmo genoma, mas proteomas totalmente diferentes, dependentes da interação indivíduo-ambiente, por exemplo. A comparação entre sequências de diferentes genes humanos, permite exemplificar a variabilidade interindividual e desenvolver competências de distinção de polimorfismos e mutações. Criando uma situação-problema que inicia a comparação entre duas sequências aminoacídicas relativas a duas proteínas como a clorofila e a hemoglobina, assim como as funções e localizações subcelulares das mesmas, poderemos facilitar o desenvolvimento de competências diversas e de forma interactiva.

[452]
As interfaces das políticas públicas frente as novas tecnologias na Formação Docente e Educação Sexual: uma proposta na modalidade do Ensino a Distância para as realidades portuguesa, espanhola, brasileira e argentina
GRAZIELA RAUPP PEREIRA | graziela.pereira@ua.pt
Universidade de Aveiro
ISABEL CHAGAS | michagas@ie.ul.pt
Universidade de Lisboa
RUI VIEIRA | rvieira@ua.pt
Universidade de Aveiro
SONIA MELO | soniademelo@gmail.com
Universidade Estadual de Santa Catarina

Resumo
O reconhecimento da Educação Sexual como componente fundamental do direito à educação e da reflexão sobre temas da sexualidade humana em meio escolar, representam momentos relevantes na história da saúde sexual dos jovens. Neste contexto, um regime de aplicação da Educação Sexual Intencional nas instituições de Ensino Superior constituirá mais um passo determinante para a saúde sexual como direito à informação para a prevenção das Infecções Sexualmente Transmissíveis e da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida. Aliada a essas questões emerge outra que se refere à formação de professores em Educação Sexual para trabalhar com seus alunos. Todos esses questionamentos estão presentes no dia-a-dia da sala de aula onde os professores se confrontam com a realidade escolar. O presente trabalho apresenta análises sobre a legislação em Educação Sexual em meio escolar e reflexões que identificam a necessidade de formação dos professores, bem como uma proposta na modalidade de Educação à Distância sobre a temática como direito à informação para a prevenção das Infecções Sexualmente Transmissíveis e da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida. Trata-se de um estudo comparativo entre Portugal, Espanha, Brasil e Argentina, tendo em vista as diferenças de contexto social, histórico e cultural.